Brain4child - Obtenção online das informações

Obtenção online das informações

Ao adquirir o método Glia os pais recebem senhas para entrar na plataforma digital e preencher o questionário a eles destinado. Uma das senhas deverá ser entregue ao professor da criança ou coordenador pedagógico (no caso de crianças e adolescentes que cursam o Ensino Fundamental II ou o Ensino Médio e têm aulas com vários professores).

O professor, de posse da senha, também acessa a plataforma para preencher o questionário a ele destinado. Uma outra senha é entregue aos pais para que a criança preencha o seu questionário, isso no caso de crianças alfabetizadas e com idade igual ou superior a 9 anos.

Com informações fornecidas pelas diferentes partes e contextos de observação é possível integrar o processo de avaliação tornando-o mais fiel à realidade da criança.

Entre as informações obtidas dos pais: a) características sociodemográficas; b) antecedentes pessoais da criança (gestação, parto, desenvolvimento neuropsicomotor, antecedentes mórbidos, etc.); c) hábitos (de leitura, lazer, acesso a mídia eletrônica, TV e games) e rotinas (de estudo, alimentação e sono); d) desempenho escolar da criança; e) características de ajuste psicossocial através da versão traduzida e validada em nosso país do Questionário de Habilidades e Dificuldades, (Strenghts and Difficulites Questionnaire, SDQ©) e; f) escala MTA SNAP IV (que avalia a frequência de sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade); g) AEFE® (Avaliação Ecológica de Funções Executivas em Crianças e Adolescentes) – versão para pais .

Entre as informações obtidas do professor: a) desempenho escolar da criança; b) escala MTA SNAP IV4; c) AEFE® (Avaliação Ecológica de Funções Executivas em Crianças e Adolescentes) – versão para professor .

As crianças alfabetizadas e com idade superior ou igual a 9 anos preenchem a AEMME® (Avaliação Ecológica de Metacognição e Motivação Escolar).

Sistema de avaliação e emissão de relatórios

Com as informações na plataforma digital, o sistema é capaz de cruzá-las, executar operações estatísticas e emitir relatórios que comparam o desempenho da criança ou do adolescente com normas estabelecidas para sua idade e gênero para as 11 FE e 11 funções metacognitivas, além de apontar a presença de fatores de risco e proteção para saúde mental e desempenho escolar. 

Os relatórios de avaliação são disponibilizados sob a forma de valor obtido e valor de referência para o gênero e idade (como exames de laboratórios em geral) e através de gráficos chamados spiders (Figuras 1 e 2), por lembrarem uma teia de aranha.

Relatório padrão

O relatório padrão relaciona todos os aspectos avaliados, o valor obtido pela criança e o valor de referência, ou seja, o que é esperado para sua idade e sexo como o exemplo abaixo.

Bruna, 9 anos de idade:

Funções Executivas (AEFE®)

- Objetivar: 3 (VR menor ou igual a 8).

- Planejar: 3 (VR menor ou igual a 8).

- Organizar: 4 (VR menor ou igual a 8).

- Iniciar: 4 (VR menor ou igual a 8).

- Focar: 5 (VR menor ou igual a 17).

- Perseverar: 3 (VR menor ou igual a 8).

- Monitorar: 5 (VR menor ou igual a 8).

- Flexibilizar:  3 (VR menor ou igual a 7).

- Inibir:  24 (VR menor ou igual a 19).

- Regular:  25 (VR menor ou igual a 10).

- Operacionalizar: 9 (VR menor ou igual a 14).

- Índice total:  88 (VR menor ou igual a 68).

- Índice de regulação emocional: 49 (VR menor ou igual a 26).

- Índice metacognitivo: 30 (VR menor ou igual a 42).

Saúde Mental (SDQ©):

- Total das Dificuldades: 35 (VR menor ou igual a 17).

- Sintomas Emocionais: 8 (VR menor ou igual a 5).

- Problemas de Conduta: 1 (VR menor ou igual a 4).

- Dificuldade de Atenção e Hiperatividade: 3 (VR menor ou igual a 7).

- Problemas com Colegas: 5 (VR menor ou igual a 4).

- Comportamento Pró-social: 4 (VR maior ou igual a 5).

- Presença de impacto: presente (VR ausente).

Observe pelos resultados acima que a Bruna apresenta boas FE metacognitivas mas muita dificuldade de regular suas emoções. Na avaliação de habilidades e dificuldades de ajuste psicossocial, Bruna claramente encontra-se comprometida e sofrendo impacto por um total de dificuldades, sintomas emocionais e problemas com colegas acima do valor de referência, bem como comportamento pró-social com desempenho abaixo do mesmo.

Gráficos Spider

O gráfico spider 1 ilustra o desempenho da criança nas 11 FE (objetivar, planejar, organizar, iniciar, focar, perseverar, monitorar, flexibilizar, inibir, regular e operacionalizar), em três índices gerais de funcionamento executivo (índices total, de regulação emocional e metacognitivo), em desempenho escolar (segundo o professor) e saúde mental (Figura 1).

Observe que nesse spider exemplificado na figura 1, a criança X (cujo desempenho está demarcado pela linha tracejada amarela) apresenta funções executivas, desempenho escolar e saúde mental superior à média esperada para sua idade e gênero (linha tracejada preta) e bem superior em relação ao baixo desempenho (linha tracejada vermelha). Nesse tipo de gráfico quanto mais ampla a curva de desempenho da criança, melhor ela está. Crianças com dificuldades nesses setores pontuarão dentro do círculo formado pela linha tracejada vermelha que delimita o baixo desempenho.

O gráfico spider 2 ilustra o desempenho da criança nas 6 funções metacognitivas avaliadas (estratégias de estudar, de ouvir e anotar, de ler e compreender, de redigir e pesquisar, de se preparar e fazer provas e se organizar) e em outros dois índices (de motivação escolar e habilidades metacognitivas) (Figura 2).

Observe que nesse spider exemplificado na figura 2, a criança Y (cujo desempenho está demarcado pela linha tracejada amarela) apresenta funções metacognitivas, índice de motivação escolar e habilidades metacognitivas inferiores à média esperada para sua idade e gênero (linha tracejada preta), situando-se dentro da área vermelha (delimitada pela linha tracejada vermelha) que indica baixo desempenho. Nesse tipo de gráfico também, quanto mais ampla a curva de desempenho da criança, melhor ela está.

Com os relatórios em mãos, mãos à obra! Está traçado o caminho a ser percorrido, você agora tem dados objetivos sobre o funcionamento mental e cognitivo de sua criança ou alunos, suas habilidades e dificuldades. Conhecendo as dificuldades é possível reabilitá-la, ajudá-la a ter um desempenho melhor, utilizando as estratégias de intervenção propostas pelo método Glia. Da mesma forma que, conhecendo as habilidades, estimular e explorar as mesmas para que a criança aperfeiçoe cada vez mais seus talentos.

 

Referências

  1. Fleitlich, B. & Goodman, R. Social factors associated with child mental health problems in Brazil – a cross-sectional survey. BMJ 323, 599–600 (2001).
  2. Goodman, R. et al. The Ilha de Maré study: a survey of child mental health problems in a predominantly African-Brazilian rural community. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol 40, 11–17 (2005).
  3. Goodman, R. The extended version of the Strengths and Difficulties Questionnaire as a guide to child psychiatric caseness and consequent burden. . J Child Psychol Psychiatry 40, 791–801 (1999).
  4. Mattos, P., Serra-Pinheiro, M. A., Rohde, L. A. & Pinto, D. Apresentação de uma versão em português para uso no Brasil do instrumento MTA-SNAP-IV de avaliação de sintomas de transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e sintomas de transtorno desafiador e de oposição. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul 28, 290-297 (2006).
  5. Arruda, M. A. & Arruda, R. Avaliação Ecológica de Funções Executivas em crianças e adolescentes - AEFE.  (Glia Educacional, 2014).
  6. Arruda, M. A. & Arruda, R. Avaliação Ecológica de Metacognição e Motivação Escolar - AEMME.  (Glia Educacional, 2014).